7 de dez de 2016

Conto - A Space Christmas



John estava na sala dos oficiais relaxando um pouco enquanto comia algo, pois seu turno havia terminado há pouco tempo, quando recebeu uma chamada pelo comunicador.
“Tenente Souza, tem uma ligação da Terra para o senhor”
“Obrigado, pode transferir para mim aqui”
“Sim senhor”, em poucos segundos uma imagem holográfica de uma criança com não mais 10 anos, apareceu saindo em cima da mesa.
“Feliz natal, Papai!”
“Feliz Natal, Charlie!” disse com um grande sorriso no rosto, “sua mãe sabe que você está ligando?”
“Sim papai, ela está aqui do lado”, a imagem de uma bela mulher apareceu ao lado da criança, “Feliz Natal querido, como você está?”
“Feliz Natal amor, estou bem, por aqui as coisas estão mais calmas ultimamente, espero que permaneça assim por um bom tempo, e em casa como está tudo?”
“Estamos ficando loucos com os preparativos das festas, jeito virá todo mundo esse ano”, ela deu uma parada um sorriso triste apareceu por um instante em sua face, “queria que você estivesse aqui também!”
“Eu também queria” disse ele, no mesmo instante ela balançou a cabeça como se quisesse espantar a tristeza e continuou, “ligamos porque Charlie queria te mostrar algo, Charlie vem aqui mostrar para seu pai o que você queria.”
“Papai, tirei nota 10 em tudo, olha só o meu boletim” ele pegou e colocou a folha na sua frente mostrando para o pai as notas.
“Parabéns Charlie”, o garoto ficou todo cheio de si, estava feliz, “ah papai já começou a nevar, está ficando tudo branquinho, mamãe falou que o tio Harry e a tia Mary vêm ajudar a montar a árvore e vovô Paul disse que só ele vai mexer no presépio.”
“Você sabe como teu um avô gosta daquele presépio.”
“Sim papai ele fica dizendo que ovelha não voa, por isso não pode ficar no telhado do estábulo.”
“Sei, e ela vai parar lá sozinha não é?”
“Ah papai, ela fica tão bonita ali em cima que não resisto”, fez uma careta e mostrou à língua, “papai a mamãe vai falar”, ele saiu da imagem e reapareceu a mulher “John sei que se deixar vocês não param de falar mais.”
“Verdade meu amor, estava terminando de comer quando vocês ligaram, vou ver se descanso um pouco.”
“Descansa mesmo meu amor.”
“Feliz Natal, meu amor. Saudades de ti e do Charlie.”
“Nós também amor, Charlie vem se despedir do seu pai.”
“Tchau papai, feliz Natal, amo você papai.”
“Também amo você Charlie, cuida bem de sua mãe até eu voltar.”
“Prometo papai, tchau”, saiu correndo antes que John pudesse dizer algo.
“Beijos John, até o ano novo.”
“Beijos Sue, até”, a imagem se desfez, depois disso, ele deu uma fungada e enxugou uma lágrima que começava a cair.
“É difícil ficar longe da família!” comentou o tenente Vlass, um Brithian, que se encontrava ali na sala também, “desculpe não deu para não ouvir a conversa.”
“Tudo bem Vlass, realmente é difícil mesmo e esse vai ser o primeiro Natal que passo longe do Charlie.”
“Desculpe perguntar, mas o que é esse Natal que você fala?”
“Como posso explicar, em seu planeta de origem, existe alguma religião, a crença em um ser superior?”
“Sim, nós temos um deus Prano, que é o senhor de tudo, por quê?”
“Pois bem na Terra, existe varias religiões, cada um acreditando em seu deus, muitos de nós uma grande maioria no planeta somos cristãos. Nós acreditamos que nessa época do ano no calendário da Terra, nasceu Jesus o filho de Deus.”
Vlass parecia meio confuso, “por que não comemorar o nascimento do Filho e não de Deus propriamente dito?”  
“Deus veio antes de tudo que existe, e para nós Deus são três faces de um único ser, o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Em nosso livro sagrado conta que Deus desgostoso de como seu povo vivia, enviou seu Filho que nasceu de uma virgem, em um estábulo de animais, crescendo entre os homens, para ser seu enviado levando a sua Palavra a todos.”
“Porem Ele não foi bem recebido por muitos, a sua palavra incomodava muito aqueles que não abraçavam mais a Deus, foi traído por um de seus discípulos, preso e executado.”
“Desculpa não entendi, Ele não é Deus, não poderia ser executado, não tem poder, não é imortal, então deve ser um Deus fraco, Prano é forte quem o desafia morre.”
“Jesus, não veio com o intuito de destruir, veio trazer a Palavra de Deus, o mandamento do amor e da fraternidade, a sua morte foi o sacrifício por toda a humanidade nata e as gerações futuras.”
Vlass ainda mantinha a expressão de duvida o que John dizia, “Ele veio para forjar uma nova aliança entre Deus e os homens através de sua Palavra, como falei antes os homens em boa parte deles já não estavam em comunhão com Deus.”
“Ele veio como homem, passou por muita dor e provações, mas mesmo encarnado como homem ele era Divino, possuía poder, curou doentes, ressuscitou os mortos e exorcizou, tudo isso aconteceu a quase 2500 anos, uma época que a Terra era um planeta simplório sem nenhuma tecnologia, para nós a palavra continua viva.”
“Antes de sua morte foi surrado, humilhado e por fim crucificado, após sepultado, ressuscitou e ascendeu ao paraíso, após sua ascensão, seus discípulos percorreram o mundo levando sua Palavra, onde muitos o aceitaram em sua vida.”
“Se estou começando a entender esse Jesus é uma parte de seu Deus, nasceu como um humano comum, mas que conquistou a adoração dos homens não pelo temor, mas pelo amor.”
“Sim, isso mesmo pelo amor Ele conquistou o coração dos homens, ensinou que o dar é mais importante que o receber, isso é o Natal é a celebração de seu nascimento, de confraternização das famílias, amigos.”
“Interessante John, deixa eu ir que meu intervalo está terminando, mas depois você me conta mais sobre Jesus, ok?”
“Claro que conto sim meu amigo”, John deu um sorriso, Vlass ia saindo quando se virou e disse para John “como é mesmo, ah sim Feliz Natal!”, só que a voz saiu num tom mais alto, foi quando mais da metade do pessoal na sal respondeu de volta.
“Feliz Natal Vlass”.



==  Fim  ==